sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

RECADO


Pessoal,

Para variar, o ano está acabando e como sempre eu ainda tinha um monte de coisas para falar e fazer. Infelizmente não deu. Que mal! Entra ano e sai ano e as coisas são assim. As novidades ficam para o ano que vem. O blog faz uma pausa de hoje até a primeira semana de 2014. Feliz ano novo!

*Imagem: reprodução daqui.
Share/Save/Bookmark

UM LIVRO QUE VIROU DISCO


Vira e mexe lemos notícias de livros que viraram filmes ou peças de teatro, mas livros que inspiram discos não pintam a todo momento. Por isso recomendo o disco Malagueta, Perus e Bacanaço, de Thiago França para quando você estiver arrumando as malas para as viagens de final de ano e férias. Pelo título você deve ter sacado que o disco foi livremente inspirado no conto homônimo do escritor João Antônio, portanto não custa nada carregar junto o livro - o volume Contos reunidos saiu no final do ano passado pela Cosac Naify em edição caprichada reunindo todos os contos, textos críticos e um encarte com 'Vocabulário das ruas' compilado pelo próprio autor.

Thiago França concebeu Malagueta, Perus e Bacanaço em homenagem aos 50 anos do lançamento da primeira edição do livro publicado em 1963. As canções contam com a participação de gente muito fera: Rodrigo Campos, Kiko Dinucci, Daniel Ganjaman, Romulo Fróes e mais um monte de gente bacana. Saiu pelo selo YB Music/Goma-Gringa e muito gentilmente o Thiago disponibilizou o download no blog dele: thiagofrancaoficial.blogspot.com.br

As comemorações em torno da obra de João Antonio são muito merecidas. Sua obra, embora sucesso de crítica e público nos anos 60/70, andava um tanto esquecida e precisava de uma revisão para tirar a poeira das estantes. O que acho mais interessante é o fato dos seus contos colocarem a cidade de São Paulo (os bairros da Lapa, Água Branca, Barra Funda e Pinheiros) no mapa literário contemporâneo. Tenho a impressão que no imaginário geral a cidade esta muito colada a Mário de Andrade e Alcântara Machado - com todo o respeito. João Antonio atualizou o panorama buscando a linguagem dos malandros da rua da pauliceia alucinada para mostrar uma cidade dura, brutal e anônima.

João Antônio (segurando uma bola de sinuca) e os malandros Lima Duarte como Malagueta, Gianfrancesco Guarnieri como Perus e Maurício do Valle como Bacanaço nos anos 70.
Para as adaptações ficarem completas faltou o lançamento em formato DVD do filme O jogo da vida, dirigido por Maurice Capovilla e também inspirado na obra de João Antônio. O filme é raro (foi gravado em 1977) e a gente só consegue assistir em cineclubes ou mostras de cinema. Quem sabe no ano que vem alguém consegue a proeza!

*Imagens: divulgação / reprodução.
Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

PRÊMIOS LITERÁRIOS PARA FECHAR O ANO

Os ganhadores do Portugal Telecom 2013: Eucanaã Ferraz (poesia), José Luiz Passos (romance e prêmio principal) e Cíntia Moscovich (Conto/Crônica).

Publiquei no final de novembro uma compilação com os vencedores dos prêmios literários mais importantes, controversos e divertidos do ano (reveja aqui). Para completar a lista, fiquei devendo apenas os vencedores de seis prêmios que foram anunciados ao longo de dezembro. Com isso, ficamos com um panorama amplo de livros que foram celebrados pela crítica especializado (ou não?) e fechamos o ano sem aquelas listas de melhores do ano. A lista inclui apenas os vencedores nas categorias de prosa de ficção.

BAD SEX IN FICTION
Sexo bem feito é bom e todo mundo gosta. Já sexo ruim... fico até sem palavras. Imagina na literatura. O prêmio mais divertido do ano que celebra cenas de sexo ruim na literatura foi para as mãos do indiano Manil Suri com o livro The City of Devi (ainda sem tradução para o português). Suri tem um livro publicado no Brasil A morte de Vishnu que saiu pela Companhia das Letras, em 2001. Os jurados citaram o trecho abaixo para justificar a escolha:

"The hut vanishes, and with it the sea and the sands – only Karun’s body, locked with mine, remains. We streak like superheroes past suns and solar systems, we dive through shoals of quarks and atomic nuclei. In celebration of our breakthrough fourth star, statisticians the world over rejoice."

O que vocês acharam?

HATCHET JOB OF THE YEAR
A machadinha de ouro! Outro prêmio concebido por críticos ingleses (do The Omnivore) com o intuíto de escolher a resenha de livro mais revoltante ou engraçada do ano. A vencedora foi a crítica assinada por Camilla Long para o livro Aftermath, de Rachel Cusk que saiu no Sunday Times Review. Ela começou a resenha chamando o livro de "simples e bizarro". Leia aqui.

PORTUGAL TELECOM
Pois é, não deu para Daniel Galera - eu e a torcida do Borussia Dortmund tínhamos quase certeza que Barba ensopada de sangue levaria o prêmio para casa. O vencedor na categoria romance foi O sonâmbulo amador, de José Luiz Passos. A vitória foi merecida porque o livro tem muitas qualidades com destaque para a linguagem hipnotizante e onírica de Jurandir - esse livro foi exaustivamente esmiuçado pelo júri da Copa de Literatura Brasileira (eu estava lá) e só perdeu na final para Diário da queda, de Michel Laub. Na categoria conto o vencedor foi Essa coisa brilhante que é a chuva, de Cintia Moscovich - outro livro que passou despercebido por muita gente.

CUNHAMBEBE
O prêmio Cunhambebe, dedicado aos melhores livros de ficção estrangeira publicada no Brasil e organizado pelo agente literário Stéphane Chao, divulgou seu vencedor: Os enamoramentos, de Javier Marías com tradução Eduardo Brandão publicado pela Companhia das Letras.

APCA
Apesar de ser uma instituição antiga, a Associação Paulista de Críticos de Artes começou a premiar escritores somente em 1972. O vencedor da categoria romance foi Lívia e o cemitério africano, de Alberto Martins e da categoria contos/Crônicas foi Garimpo, de Beatriz Bracher - ambos foram publicados pela Editora 34.

FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL
O último prêmio do ano foi anunciado na semana passada. Na categoria romance, o júri da Fundação Biblioteca Nacional escolheu o livro Opsianie Swiata, de Veronica Stigger que acaba de sair pela Cosac Naify. Já a categoria conto ficou com Aquela coisa brilhante que é a chuva, de Cintia Moscovich - que já tinha faturado o Portugal Telecom.

* Imagem: divulgação do Prêmio Portugal Telecom.
Share/Save/Bookmark

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

HOMENAGEM A GRACILIANO RAMOS


Tem poucas notícias literárias circulando esses dias, né? Acho que todo mundo está em ritmo alucinado de compras de natal e festas de final de ano. Porém, antes que o ano acabe, a TV Globo exibe o especial "Alexandre e outros heróis" em homenagem aos 60 anos de morte do escritor alagoano Graciliano Ramos. Trata-se de uma livre adaptação dos contos O olho torto de Alexandre e A morte de Alexandre que estão no livro juvenil chamado Histórias de Alexandre - a edição mais recente foi lançada em 2007 pela Editora Record.


O texto tem assinatura de Luís Alberto de Abreu e a direção ficou a cargo de Luiz Fernando Carvalho. O elenco tem Ney Latorraca, Flávio Rocha, Marcélia Cartaxo, Marcelo Serrado e outros.

Promete!

Imagem: TV Globo/Divulgação
Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

PRESENTES DE NATAL 2013


Não posso fugir a tradição de todos os anos. Por isso, mais uma vez, organizei uma seleção de presentes para o natal. No "guia de compras" entraram apenas livros de ficção em prosa lançados ao longo do ano de 2013. A intenção é ajudar na hora das compras de última hora para o amigo secreto e tudo o mais. Com essas dicas você não vai fazer feio - pode ter certeza.

O serviço inclui imagem de capa do livro, título, autor, tradutor, preço e link para o site das editoras. O preço pode variar dependendo da livraria em que você compra em função de ofertas promocionais, programas de fidelidade, descontos, compra pela internet, importação etc.

Boas compras!


Decameron, de Boccacio com tradução de Maurício Santana Dias e ilustrações de Alex Cerveny (Cosac Naify; R$ 89,00). Um clássico da literatura universal repaginado em edição caprichada.

Jun Do, de Adam Johnson com tradução de André Gotlieb (Lafonte; R$ 44,90). Uma aventura nas profundezas do regime totalitário da Coréia do Norte em busca de justiça.

Divórcio, de Ricardo Lísias (Alfaguara; R$ 39,90). Trabalho primoroso do autor que leva aos limites a fronteira entre o real e a ficção mirando na desconstrução do discurso viciado de alguns grupos sociais dominantes.

Reprodução, de Bernardo Carvalho (Companhia das Letras; R$ 37,00). Uma reprodução genial da verborragia vazia, confusa, ensurdecedora e sufocante da internet e suas redes sociais.

Codex Seraphinianus, de Luigi Serafini (Rizzoli; $89,99 - importado aproximadamente R$ 410,10). Uma espécie de catálogo de um mundo imaginário com um texto indecifrável e misterioso que fascinou Italo Calvino, John Cage, Tim Burton, entre outros.

Amanhã não tem ninguém, de Flávio Izhaki (Rocco; R$ 28,00). Tal como o título sugere é uma história de personagens tentando lidar com a dor da solidão.

Como me tornei freira, de César Aira com tradução de Angélica Freitas (Rocco; R$ 36,50). Uma história insólita e delirante em que tudo se confunde e nada parece ser exatamente aquilo que é - essa edição inclui também a novela A costureira e o vento.

Delírio de Damasco, de Verônica Stigger (Cultura e Barbárie; R$ 30,00). Um resgate de fragmentos deliciosos de conversas alheias, colhidos aleatóriamente e trabalhados até o limite de sua transformação total.

É assim que você a perde, de Junot Diaz com tradução de Flávia Anderson (Record; R$ 32,00). A difícil arte de resistir ao desejo ardente e as vontades da carne.

Vida querida, de Alice Munro com tradução de Caetano W. Galindo (Companhia das Letras; R$ 37,00). A mestre do conto nos dá mais uma prova de seu enorme talento. Por ser um livro de despedida (Munro disse que pretende encerrar sua carreia) o livro mistura contos e textos autobiográficos.

A arte do jogo, de Chad Harbach com tradução de Alexandre Barbosa de Souza e Julia Sobral Campos (Intrínseca; R$ 39,90). A história de um jogador de beisebol muito talentoso, mas frágil tendo que lidar com a difícil arte de apreender o jogo da vida.

*Imagem das capinhas: divulgação / montagem: Rafael R.
Share/Save/Bookmark

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

MADELEINES LITERÁRIAS - UMA RECEITA


Perdoem a minha falha! Encerrei as comemorações em torno do centenário do livro Du côté de chez Swann, de Marcel Proust sem publicar a coisa mais importante de todas: a receita do famoso bolinho de Madeleine. Para quem não sabe, Proust celebrou a iguaria num episódio do livro em que o narrador leva a boca o bolinho com chá, lembra da infância e metaforicamente dilui a passagem cronológica do tempo. Nos livros de culinária circulam muitas histórias sobre quem foi o verdadeiro inventor da Madeleine. A versão mais conhecida é atribuída a uma empregada da marquesa Perrotin de Baumont, em 1755 - ela copiou uma receita da sua avó.

Os ingredientes são fácil de encontrar e a forma com formato de concha está à venda em lojas do ramo (é possível comprar pela internet). A receita só requer tempo e paciência de quem estiver preparando. Acho que vale a pena arriscar e depois folhear algumas páginas do livro com algum chá de sua preferência.

MADELEINE DE PROUST

A receita é do Chef Rafael Tabach, Boulanger-Pâtissier. 

Ingredientes

· 2 ovos grandes
· 85g de açúcar refinado
· 1 pitada de sal
· 90g de farinha de trigo peneirada
· 2,5g de fermento químico em pó (cerca de 1/3 de colher de café)
· 90g de manteiga sem sal derretida e fria
· 10g de mel fino
· raspas de casca de dois limões (somente a parte verde)

Modo de Preparo

Coloque os ovos em uma tigela e bata bem. Acrescente o açúcar e bata bem até homogeneizar por completo. Incorpore a farinha e o fermento peneirados juntos e mexa bem, sem bater. Adicione a manteiga e o mel, e mexa bem para homogeneizar. Cubra a tigela com um plástico, leve à geladeira e deixe descansar por 30 minutos. Unte as formas de madeleine com manteiga derretida e coloque porções da massa quase até a borda de cada forminha. Leve ao forno pré-aquecido a 230 graus. (Esta temperatura é necessária para a madeleine "subir"). Após 6 minutos, reduza a temperatura do forno para 190 e abra um pouco a porta (não escancarar) por 2 a 3 minutos para a madeleine continuar assando toda por igual. Asse por 15 minutos aproximadamente, até elas estarem douradas e firmes. Desenforme quando sair do forno e consuma.

*Imagem: reprodução.
Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

TEMPORADA DE PRÊMIOS


Nessa segunda-feira chuvosa (o verão está chegando mas o tempo na cidade de SP está nublado, chuvoso e meio frio) aconteceu a entrega do Prêmio SP de Literatura 2013 para um autor veterano e dois autores estreantes - com mais de 40 e menos de 40 anos. Entre os concorrentes tinha um monte de gente interessante e aposto que você já tinha os seus favoritos.


Pois bem, acabam de anunciar que o ganhador na categoria veterano foi Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera. Na categoria estreante, os vencedores foram Desnorteio, de Paula Fábrio e Antiterapias, de Jacques Fux.


Com isso, Daniel Galera fecha com chave de ouro a trajetória do romance nesse ano: mesa na FLIP, presença em Frankfurt, participação na Copa de Literatura Brasileira e vários países interessados em publicar e traduzir seu livro. Agora só falta ganhar o Prêmio Portugal Telecom.


Outra coisa bacana desse prêmio é lançar luz sobre autores estreantes. Tenho certeza que mais gente vai procurar os livros da Paula Fábrio e do Jacques Fux.



***


Vou aproveitar o anuncio do Prêmio SP de Literatura para repassar outros prêmios literários que já foram entregues ou ainda serão entregues e não comentei antes por falta de tempo. Vem comigo que no caminho eu explico.


NOBEL
Você pode até achar que o Nobel de Literatura tem gosto de peru de natal, mas a verdade é que desde 1901 o mundo inteiro aguarda com muita ansiedade pelo momento em que os membros da academia sueca abrem uma porta e anunciam o nome do vencedor. Nesse ano, o Nobel foi para as mãos da escritora canadense Alice Munro, de 82 anos. É a primeira vez que um autor dedicado somente ao conto - gênero de forma curta - é agraciado. A escritora já tem três livros publicados no Brasil pela Cia das Letras: O amor de uma boa mulher, Felicidade demais e Fugitiva. Até o final do ano devem chegar as livrarias Vida querida, pela Cia das Letras e uma reedição de Ódio, amizade, namoro, amor e casamento, pelo selo Biblioteca Azul - da Globo Livros. No ano que vem, a Globo Livros promete publicar Selected stories, Fugitiva e The View of Castle Rock.


No ano passado, Munro disse que iria encerrar a carreira para se dedicar a família, mas numa recente entrevista ao The Wall Street Journal ela admitiu que continua tendo ideias para novas histórias - deixando aberta a possibilidade de voltar a publicar.


MAN BOOKER PRIZE
O famoso prêmio inglês foi para as mãos da neozelandesa Eleanor Catton com o livro The Luminaries. Com apenas 28 anos e 50 mil livras mais rica, ela se tornou a autora mais jovem a receber o prêmio e a autora do livro premiado mais longo de todos os tempos - a edição inglesa tem 832 páginas. Dizem que o prêmio já era esperado, pois nos bastidores todo mundo garante que Eleanor era a favorita desde o anúncio da primeira lista de selecionados.


Se você ficou interessado pelo livro deve saber que The luminaries já tem editora no Brasil e sairá em 2014 pelo selo Biblioteca Azul, da Globo Livros.


GONCOURT
Enquanto os prêmios literários ao redor do mundo costumam pagar altas somas para os vencedores, o Prix Goncourt para apenas €10. O valor é simbólico e o autor ganhador compensa o valor magro do prêmio com o número expressivo de vendas após o anúncio - sem contar com o interesse de editoras do mundo inteiro em comprar os direitos de publicação do livro. Na edição desse ano quase houve um empate entre um veterano e um estreante. Foram 6 votos contra 4. Quem levou a melhor foi Pierre Lemaître, o veterano, com o romance Au Revoir Là-haut (ele é inédito no Brasil, mas bem conhecido na França e teve um livro publicado em inglês). Curiosamente, tanto o livro do veterano quanto o do estreante (Arden, de Fréderic Verger) falam sobre guerra.


AINDA NA FRANÇA: MÉDICIS, RENAUDOT E ZORBA
Outros dois prêmios literários importantes da França também divulgaram seus vencedores - ambos apareceram nas listas de selecionados do Goncourt (será que os prêmios tem sempre os mesmos finalistas?). O Prix Renaudot foi para Yann Moix com Naissance (o livro tem 1152 páginas e dizem que segue um estilo Laurence Sterne graças a ironia perversa, hilária e grotesca) e o Prix Médicis foi para Marie Darieussecq com Il faut beaucoup aimer les hommes - pelo que apurei é um livro sobre uma história de amor que lida com a impossibilidade de contar uma história de amor no mundo de hoje.


Já o Prix du Zorba (o nome vem do bar onde acontece a premiação) foi criado no ano passado e pretende ser uma espécie de "anti-Goncourt". O júri conta com escritores, jornalistas e djs e quer premiar o livro mais excitante do ano. O ganhador foi Une vie pornographique, de Mathieu Lindon. Levou para casa €500 (bem mais do que o Goncourt). O livro trata de uma personagem víciada em heroína que tenta se recuperar.


JOSÉ SARAMAGO
Dessa vez o prêmio foi para as mãos do angolano Ondjaki com o livro Os transparentes - acabou de sair pela Companhia das Letras. Entre os membros do júri estava a académica Nelida Piñon.


CUNHAMBEBE
O Prêmio Cunhambebe, dedicado aos melhores livros de ficção estrangeira publicada no Brasil e organizado pelo agente literário Stéphane Chao, divulgou seus finalistas: A trama do casamento, de Jeffrey Eugenides; O dia em que a poesia derrotou um ditador, de Antonio Skármeta; O mapa e o território, de Michel Houellebecq; Festa no covil, de Juan Pablo Villalobos; Os enamoramentos, de Javier Marias; HHhH, de Laurent Binet; Fora do tempo, de David Grossman; Rostos na multidão, de Valeria Luiselli; Sunset Park, de Paul Auster; A primeira pessoa, de Ali Smith e Serena, de Ian McEwan. O vencedor será anunciado em 9 de dezembro.


BAD SEX IN FICTION
Nenhum tema tem sido tão relevante para a literatura contemporânea quanto o sexo. Basta um passeio pelas livrarias da sua cidade para ver estantes inteiras dedicadas ao gênero "pornografia (com direito a doses homeopáticas de sadomasoquismo) para mulheres". No entanto, o Bad Sex in Fiction não dá a mínima para E.L. James, Sasha Grey, Sylvia Day e compania. Os organizadores querem premiar e desencorajar as piores cenas sexuais publicadas em livros de ficção sem foco específico em pornografia ou literatura expressamente erótica.


Os finalistas são: My Education, de Susan Choi; The Last Banquet, de Jonathan Grimwood; House of Earth, de Woody Guthrie; Motherland, de William Nicholson; The Victoria System, de Eric Reinhardt; The World Was All Before Them, de Matthew Reynolds; The City of Devi, de Manil Suri e Secrecy, de Rupert Thomson.


Os escritores são praticamente desconhecidos no Brasil. Talvez dois ou três tenham um livro publicado por aqui e dificilmente chegaram até as nossas estantes em português. Tudo vai depender da repercussão do prêmio e da trajetória de sucesso do livro. O vencedor será conhecido em 3 de dezembro.


NATIONAL BOOK AWARD
Nenhum veterano foi páreo para The Good Lord Bird, de James McBride - o vencedor do National Book Award. Nem a beleza de Jhumpa Lahiri, nem o humor negro de George Saunders, nem mesmo a estranheza de Thomas Pynchon. Nada! McBride tem uma obra prolifica voltada para o cinema, a música e a literatura. O livro conta a história de um escravo que vive no estado norte-americano do Kansas, em 1857, e tem ideias abolicionistas. Os jurados acharam o livro engraçado e original.


McBride já teve livros publicados no Brasil pela editora Bertrand Brasil.


TELECOM DE LITERATURA
O prêmio anunciou seus finalistas e promoveu um encontro durante a Balada Literária, mas ainda não disse quando vai ser a cerimônia de entrega.


***

Será que esqueci de algum prêmio? Se alguém souber de alguma coisa, deixem um comentário.


*Foto: divulgação.
Share/Save/Bookmark

COMBRAY EM FAC-SÍMILE


Como bem alertou Mario Sergio Conti num artigo para o caderno Ilustríssima, da Folha de SP, no dia do centenário do livro Du Côté de Chez Swann, de Marcel Proust: "multidões não sairão às ruas para, mascaradas com o bigodinho do romancista, fazer vigília (...) apenas alguns, em Londres, no Cairo, em Tóquio ou numa padaria nas Perdizes, brindarão à memória do grande artista". Para não ser injusto, acho que alguns lugares promoveram debates e encontros para tratar do assunto - se não me engano, nessa segunda-feira, a Casa do Saber RJ está recebendo o escritor Marcelo Backes para uma palestra para comemorar a data.

Nos Estados Unidos, a Morgan Library organizou uma exposição com fotos e manuscritos raros e uma série de concertos musicais. Fiquei sabendo que na França organizaram seminários e festinhas. Nada muito caloroso como no Bloomsday ou no Dia D.

Talvez a cereja do bolo tenha sido a edição fac-símile caprichada de Combray - a primeira parte de Du Côté de Chez Swann - organizada pela editora Gallimard. O livro tem grandes dimensões para ampliar a imagem dos manuscritos e o leitor ainda pode manipular certos trechos como se estivesse diante do original.

(Para entender melhor tem aqui um vídeo)

Detalhe: foram impressos apenas 1200 exemplares e não haverá nova impressão. Coisa para atender colecionadores e fãs do escritor. No site da Amazon francesa já não havia nenhum exemplar disponível e os compradores estavam revendendo por preços que variam de €268,00 a €472 (desconsiderando os custos de frete).

Abaixo algumas imagens do exemplar.





Fotos: ©Fondation Martin Bodmer, Cologny (Genève)
Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

HOMENAGEM AOS 100 ANOS DE "DU CÔTÉ DE CHEZ SWANN"

Fotos: Rafael R. Tratamento de imagem: Tatiana Mello

















"Combray" (a primeira parte do livro) começou a ser escrita em 1909 e excertos apareceram no jornal Le Figaro entre 1912 e 1913. Du côté de chez Swann foi publicado pela primeira vez em 14 de novembro de 1913 pela editora francesa Grasset depois de ter sido recusado por outras editoras.

No Brasil, No caminho de Swann foi publicado pela primeira vez em 1948 pela editora Globo Livros de Porto Alegre com tradução de Mario Quintana.

A Penguin/Companhia das Letras vai publicar uma nova tradução em 2014 com o nome Do lado de Swann assinada por Mario Sergio Conti.

Trilha sonora sugerida http://youtu.be/0aLoezucIzk



Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

RESPEITEM O MEU BIGODE!


Os puristas acham que o #casmurros se rendeu aquela moda do bigode. Não! Explico: No caminho de Swann, o primeiro livro da série Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust vai completar 100 anos desde a sua primeira publicação em 14 de novembro de 1913. Trata-se de uma efeméride muito importante porque esse livro está entre as maiores obras da literatura mundial principalmente por sua ambição de querer domar o tempo pela escrita (evidentemente, existem outros tantos elementos que fazem o livro ser o que ele é; são tantos que passaria um dia inteiro para elencar).

Por isso, vou ostentar um magnífico bigode em comemoração a data. Daqui a pouco volto com mais, prometo!

*Imagem: reprodução do Google.
Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

DUAS REVISTAS


Amanhã chega às livrarias a nova edição da revista Serrote. A capa tem uma pintura feita por Jacob Lawrence que faz parte de uma série de pinturas chamada "Migração" retratando a migração dos afro-americanos do sul rural para o norte urbano dos Estados Unidos. A edição tem textos de Alejandro Zambra falando de computadores, Adam Gopnik comentando o estilo de Gertrude Stein, Milton Hatoum sobre Graciliano Ramos (ensaio lido na abertura da última FLIP), Julian Barnes sobre artes visuais e Alberto Manguel sobre cartas de amor.

***

Também saiu na gringa a nova edição da Granta com tema "After the War". Tem ficção de Yiyun Li e Paul Auster e ensaios assinados por Hari Kunzru e Herta Müller.

*Imagens: divulgação.
Share/Save/Bookmark

ADAM THIRLWELL: LIVRO COM FORMA E CONTEÚDO


Enquanto escrevia sobre J.J. Abrams e a celebração do livro como objeto (em toda a sua materialidade ao contrário dos ebooks achatados e virtuais) acabei me deparando com o intrigante Kapow!, de Adam Thirlwell. O livro saiu no ano passado pela editora inglesa Visual Editions com um design muito particular: variação de fontes, páginas dobradas (quando você desdobra elas aumentam), caixas de texto dentro dos parágrafos, parágrafos partidos ao meio, textos que correm em vários sentidos da página e assim segue. Para entender melhor assista esse vídeo. Tudo do jeito que a turma da Visual Editions e os seus fãs gostam (eles só fazem coisa caprichada - procure saber). O design foi criado por Frith Kerr, do Studio Frith.

As pessoas mais rabugentas certamente olham para o livro e pensam "bonitinho, mas ordinário - não passa de um fetiche gráfico". Ledo engado!


Kapow! foi saudado pela crítica inglesa justamente porque alia forma e conteúdo (como todos os livros da Visual Editions). O narrador da história é um escritor que mora em Londres e começa a acompanhar os eventos da Primavera Árabe pela televisão e pela internet, ao mesmo tempo. Tudo vai aparentemente bem até que pensamentos e observações de outros personagem que estão em Londres e no Egito começam a tomar conta da história - tal qual a revolução que o narrador está presenciando a distância. 

Adam Thirlwell estava interessado em experimentar a digressão como um elemento importante na construção desse livro (ele pega carona na tradição de Laurence Sterne, Robert Musil, Philip Roth, Javier Marias e tantos outros para levar o recurso ao limite extremo - parece que deu muito certo). Sua ousadia não brotou do dia para noite. Ele tem outros dois livros publicados Política (saiu pela Companhia das Letras, em 2004, mas está esgotado e fora de catálogo) e The Escape, ainda inédito no Brasil. Além disso, ele apareceu duas vezes na edição especial da revista Granta com os melhores jovens escritores ingleses, em 2003 e 2013. Não é pouca coisa.

Vejam que curioso, na edição da Granta dedicada aos escritores brasileiros foi Thirlwell quem apresentou Michel Laub aos ingleses. Ele virou fã e uma qualidade que destaca em Laub é justamente a digressão das histórias.

Voltando ao começo, dificilmente Kapow! vai ganhar tradução para o português - quem sabe? Portanto, vale a pena recorrer a edição original, ficar de olho na produção desse rapaz e celebrar o livro-objeto.

*Imagem: Amélie Bonhomme/reprodução
Share/Save/Bookmark

terça-feira, 29 de outubro de 2013

DE VOLTA PARA O PASSADO


J.J. Abrams, diretor de Lost e Star Trek, escreveu um livro de ficção. Na verdade, o livro foi escrito 'a quatro mãos'. Quem escreveu mesmo - no sentido estrito do termo - foi Doug Dorst e, pelo que apurei, Abrams colaborou na elaboração do enredo usando toda sua experiência em narrativas cinematográficas. 

O livro chama S. e conta duas histórias cruzadas: a primeira está nas páginas do livro propriamente dito e chama Ship of Theseus escrita por um misterioso autor de nome V.M. Straka; a segunda acontece em anotações feitas nas margens desse livro por dois leitores chamados Jennifer e Eric. O relacionamento deles também extrapola os limites do livro e acontece por meio de cartas, recortes de jornal, fotografias, cartões postais, mapas e bússolas. Ufa! Como a explicação ficou um pouco confusa, recomendo que você assista esse trailer para compreender tudinho.

Em reportagem para o New York Times, Abrams disse que não publicou o livro com intenção de transformá-lo em filme. A ideia era fazer aquilo que só um livro pode fazer e celebrar todo o potencial de objeto físico. Por isso, S. tem um tratamento especial: vêm em capa dura num estojo selado por um adesivo que o leitor precisa rasgar, as páginas são amareladas (para dar aquele aspecto de livro antigo), as anotações dos leitores são todas feitas à mão em cores variadas e tem os complementos que falei antes (cartas, recortes de jornal, fotografias etc.). Os entusiastas daqueles livros transmídia devem estar lamentando - embora o livro tenha recebido um bom projeto de marketing na internet com o trailer e o mistério envolvendo sua divulgação.

Vai revolucionar a literatura? Certamente não. É um livro de mistério, aventura e ação que promete aos leitores (e fãs de J.J. Abrams) muitos momentos de entretenimento para juntar as peças do quebra cabeça para decifrar o enigma por trás das histórias.

A dupla de autores acerta em cheio ao criar um livro com todas essas características em plena era dos livros digitais. S. vai ganhar uma versão digital com material na internet, mas a experiência física só com o livro mesmo.

Também acho curioso o fato das duas histórias ocorrendo em paralelo e ao mesmo tempo. Cabe ao leitor, tal qual uma câmera cinematográfica, escolher o que focar em cada momento. Nisso entra a experiência de Abrams como escritor/diretor. Volto a dizer, não é a primeira vez que alguém faz isso na literatura (o que é novo hoje em dia, né?). A diferença, dessa vez, está na grife de um celebrado diretor de Hollywood que sabe a maneira correta de contar histórias para o seu público.

Tem tudo para entrar em todas as listas de 'mais vendidos'. As editoras brasileiras devem estar de olho (um comentário em forma de cochicho: considerando o peso da marca J.J. Abrams os direitos de publicação vão custar uma pequena fortuna), mas vai dar um pequeno trabalho traduzir o livro, criar as fontes, imprimir com essas características vintage e produzir o material extra.

Vamos acompanhar! 

*Imagem: reprodução.

Share/Save/Bookmark

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

FINAL DA COPA DE LITERATURA BRASILEIRA 2012/2013


Depois de doze semanas consecutivas chega ao final a Copa de Literatura Brasileira - edição 2012/2013. Na disputa pelo 'título' estavam dois gigantes (para abusar do jargão usado pelos locutores esportivos): O sonâmbulo amador, de José Luiz Passos X Diário da queda, de Michel Laub. Não quero bancar o estraga prazeres e revelar o 'vencedor', portanto se você quiser saber o resultado vá direto para o jogo (clique aqui) - quer um conselho: não seja ansioso e acompanhe a decisão dos jurados voto a voto; é de tirar o fôlego. Eu também votei!

Independente de você concordar ou não com o resultado final, tenho certeza que a impressão geral é que a última temporada de lançamentos nos rendeu uma enxurrada de bons livros (também acho que 2013 vai fechar com saldo positivo já que tem um monte de gente produzindo). Isso não significa que todos os livros que estavam na disputa eram obras-primas, mas eram interessantes/instigantes e bem acima da média. Além disso, acredito que a Copa está contribuindo bastante para colocar a literatura brasileira contemporânea em circulação e debate.

No mais, quero dizer que foi uma honra participar da empreitada - sobretudo quando penso que, além do voto na final, avaliei uma partida 'difícil' entre os livros Barba ensopada de sangue X Habitante irreal - ao lado de gente muito bacana. Agradeço aos organizadores pelo convite.

Que venha a próxima!

*Imagem: reprodução.
Share/Save/Bookmark

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

NOTAS #44


Fanfiction japonesa
Haruki Murakami não ganhou o prêmio Nobel de Literatura (nos últimos três anos ele aparece em primeiro na lista dos palpiteiros de plantão), mas figura essa semana nas páginas da revista - übber cool - New Yorker com um conto chamado "Samsa in love". O escritor japonês, capaz de levar milhares de leitores a dormirem em longas filas nas portas das livrarias por causa de 1Q84, promete derreter os corações endurecidos pela tristeza ou rabugice. O conto retoma a personagem da novela A metamorfose, de Franz Kafka e promove uma espécie de sequência: certa manhã, ao despertar de sonhos intranquilos, uma criatura encontrou-se em sua cama metamorfoseado em Gregor Samsa. Como o título sugere, Samsa vai reaprender a usar seu corpo humano e cair de amores por uma misteriosa mulher que aparece em sua casa.

"Samsa in love" foi retirado de uma coletânea de contos chamada Ten Selected Love Stories (capa acima), publicada mês passado no Japão pela editora Chuokoron-Shinsha. Curiosamente, Alice Munro também está nesta coletânea que teve seleção e tradução para o japonês feita pelo próprio Murakami.

Moraes, mais uma vez
Falando em páginas de revista, a Piauí publicou na edição desse mês mais um trecho de A travessia de Suez, próximo romance escrito por Reinaldo Moraes. Outro trecho apareceu na edição de julho de 2010. A história do sujeito que morre e descobre que era uma encarnação de Deus deve sair pela Alfaguara no ano que vem.


Revolta literária
O romance L’esprit de l’ivresse, do autor estreante Loïc Merle está causando um pequeno burburinho na recente temporada de lançamentos na França. O livro conta a história de um homem mais velho que ao voltar para casa depois de um dia cansativo de trabalho é preso pela polícia, morre e vira símbolo de uma revolta que terá proporções gigantescas em todo o país - o pano de fundo está concentrado naquela revolta de jovens dos subúrbios franceses que aconteceu em 2005. Para além do enredo vibrando narrado em três diferentes perspectivas, a crítica aponta como qualidades do romance: as frases longas, as belas descrições e o manejo do autor para construir personagens que escapam a mera caricatura sociológica.

Pode entrar facilmente na lista de livros que ecoam a revolta das ruas.

Do barulho
Parece que no futuro o silêncio vai andar a quilômetros de distância dos livros - olha que não estou falando das megalópoles ensurdecedoras ou dos aparelhos de MP3 (reparou como todo mundo prefere ler com um fone acoplado ao ouvido). A empresa Booktrack acaba de lançar um aplicativo para o Google Chrome chamado Booktrack Studio. Nele, você pode adicionar música, som ambiente e até efeitos sonoros mais simples as suas histórias preferidas. Detalhe: os sons ocorrem de acordo com o ritmo de leitura de cada um, pois o som está sincronizado a cada linha ou trecho específico. Promete atender aos anseios dos leitores digitais, sobretudo porque permite... compartilhar.

É interessante! Vale experimentar.

*Imagem: reprodução.

Share/Save/Bookmark

A VOLTA DO QUE NÃO FOI


Não, meu caro leitor, você não está tendo uma alucinação. Apesar da longa pausa sem atualizações, o blog ainda existe e eu estou por aqui. Não queria apelar para aquele velho lenga-lenga de falta de tempo, mas não vejo outra saída. Fiquei ocupado com uma série de coisa e por falta de tempo (ou preguiça) - nunca por falta de ideias - o blog acabou parado.

Para não sumir completamente dei as caras no Twitter e no Tumblr.

Aos poucos, leitor amigo, estou voltando. Tire o pó da sua estante, desencaixote os livros, organize as prateleiras, revire as páginas e baixe os aplicativos...

Imagem: Erik Desmazières. La salle des planètes, from La Bibliothèque de Babel. / Reprodução
Share/Save/Bookmark

terça-feira, 17 de setembro de 2013

LITERATURA EM SP



Se você está em São Paulo e gosta de literatura terá uma difícil missão pela frente. Na próxima quinta-feira, a cidade será ocupada por três eventos interessantes - todas acontecem quase ao mesmo tempo em pontos diferentes, ou seja, sem chance de aparecer um pouco em cada um.

Às 19h, na Associação dos Advogados de São Paulo – AASP, acontece a abertura do evento Pauliceia Literária. A escritora Patrícia Melo terá sua obra esquadrinhada por Manuel da Costa Pinto. O evento é pago e os ingressos podem ser adquiridos pelo site.

Às 19:30h, na Casa das Rosas, o escritor Ricardo Lísias estará no segundo encontro do Isto não é um perfil – Desmontando os escritores da prosa contemporânea organizado por Luiz Nadal. Vale lembrar que Lísias acaba de lançar Divórcio e não concedeu nenhuma entrevista para falar do romance - respondeu perguntas dos 'jornalistas' por email. Vai ser uma chance interessante de vê-lo pessoalmente. Tem um primeiro capítulo para degustação aqui. O evento é grátis.

Às 20h, no SESC Consolação, a nova literatura britânica e brasileira será representada por Ben Markovits (ele largou o basquete pela literatura), Steven Hall, Antonio Prata e Daniel Galera. Os quatro estão na seleção de jovens autores da revista Granta - o número com jovens autores britânicos chegou às livrarias na semana passada - e vão falar sobre suas respectivas obras. Os livros do Markovits ainda não foram publicados no Brasil; já Steven Hall teve seu romance Cabeça Tubarão publicado pela Companhia das Letras (indiquei o livro na edição do fanzine sobre 'videogame'). O bate-papo será mediado por Marcelo Ferroni e tem entrada gratuíta.

Difícil decidir, né?

***

Pensa que acabou: como falei num texto anterior, na próxima sexta-feira acontece a FLAP! que vai até domingo junto com o evento Pauliceia Literária que também termina no domingo.

*Imagem: ilustração de Diana Dorothèa Danon que está no livro São Paulo: 'Belle Époque'/reprodução.
Share/Save/Bookmark

MINHA PARTICIPAÇÃO NA COPA DE LITERATURA


Hoje foi ao ar a minha participação na Copa de Literatura Brasileira 2013. Fiquei muito lisonjeado com o convite dos organizadores e confesso para vocês que senti uma responsabilidade enorme ao saber que teria de avaliar Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera e Habitante irreal, de Paulo Scott. Se você estava num outro país sem acesso a internet aqui vai uma explicação para o temor: foram os dois livros mais comentados da temporada mais recente da literatura brasileira.

Para compor minha 'resenha', tentei ler quase tudo o que escreveram a respeito e ruminei durante muitas semanas algumas ideias que anotei em papéis espalhados. Se fosse possível, passava os dois para a próxima rodada de avaliações, mas não dá! Tanto o livro do Galera quanto o do Scott são dignos de nota e precisam ser lidos - basta ter boa vontade para enxergar as qualidades, reconhecer os defeitos e deixar de lado a rabugice contra a literatura brasileira contemporânea (essa palavra que faz muita gente ficar com cara de nojo - vai entender).

A Copa é divertida justamente por colocar nova luz e promover mais debate sobre livros que poderiam ficar perdidos nas estantes das livrarias ou das bibliotecas públicas e privadas. Por isso, teria sido muito chato se Habitante irreal tivesse sido retirado dessa edição desde o começo (apenas para registrar, Paulo Scott pediu para que os organizadores retirassem o livro da Copa).

Bom, agora chega de papo-furado. Para ler a resenha vai lá no site da Copa e não deixe de acompanhar as outras partidas porque ainda tem várias avaliações que vão ser briga de cachorro grande - como dizem popularmente.

*Imagem: reprodução da Copa.
Share/Save/Bookmark

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

QUANDO A RUA APARECE NA LITERATURA - EM MEMÓRIA A MARSHALL BERMAN

Jane Jacobs
Tem gente que lê dois ou três livros ao mesmo tempo sem perder uma linha do enredo - uma questão de comportamento, hábito, organização, gosto pessoal, sei lá. Conheço pessoas que realizam esse verdadeiro milagre num mundo em que a publicação de livros se multiplica a números exponenciais e exigem agilidade (ou melhor, "rebolado") para acompanhar TUDO o que chega às livrarias, mas eu mesmo não consigo. Quer dizer, até consigo se for um trabalho. Mantenho o foco, crio um método de anotações e sigo em frente. Já para as leituras de prazer eu dedico muita atenção e exclusividade. Leio d-e-v-a-g-a-r. É claro que no meio do caminho faço pausas (com tempo de duração variado) para atender prazos de leitura mais urgentes ou viver a vida (atender ao telefone, ir ao mercado, responder emails, tomar uma cerveja, assistir a um filme, encontrar os amigos etc.). A MTV tinha uma vinheta que dizia: "desligue a TV e vá ler um livro". Em determinados momentos, eu diria o seguinte: "feche o livro e vá para a rua" - se você costuma ler no iPad, Kindle e outros leitores digitais pode usar dizer "desligue o livro e...".

Pois bem, um livro que estou lendo por prazer nesse momento é Morte e vida de grandes cidades, de Jane Jacobs. Não tem nada de ficção, por isso não coloquei a capinha naquele campo "lendo" do blog. O livro foi publicado em 1961 quando as cidades norte-americanas eram assoladas pelo trabalho racionalista, organizador e um tanto higienista dos grandes arquitetos e urbanistas modernos - entre eles, Robert Moses e Le Corbusier. Jacobs usou sua verve de jornalistica-ativista contra essa mentalidade demonstrando que o elemento mais precioso da cidade está escondido na sua diversidade urbana espontânea ocupando ruas e calçadas, misturando prédios antigos com novos, bairros mesclando comércio, fábricas, praças, cinemas, bares, casas, restaurantes, escolas, parques e todo o resto. Suas ideias foram tão influentes que permanecem atuais e repercutem até hoje entre os urbanistas. Sobretudo nesse momento em que as metrópoles estão renascendo como símbolo de um urbanismo mais espontâneo. Apesar de carregar alguns aspectos técnicos que podem parecer enfadonhos para os 'não iniciados', Jacobs constrói seus argumentos com uma prosa recheada de inteligência, beleza e simplicidade narrando sua experiência pessoal com várias histórias de pessoas que moram na cidade por causa de sua diversidade vibrante.

Cheguei ao livro da Jane Jacobs depois de ler o ensaio histórico e literário Tudo que é sólido desmancha no ar, de Marshall Berman - li nos tempos da faculdade para a minha monografia de conclusão da especialização cujo tema era a representação da cidade real em As cidades invisíveis, de Italo Calvino (na vida é muito importante ter ambições). Por causa do prazo de entrega eu fui deixando o livro de Jacobs para depois, outras leituras apareceram e na metade do mês passado a vez dela chegou. Leituras de prazer, lembra? Foi pensando no livro dela e nessa história de um livro que puxa outro que fiquei triste ao ler a notícia de que Marshall Berman tinha morrido. Infelizmente, não o conheci pessoalmente, não era meu professor, amigo ou parente, mas era alguém brilhante por quem eu tinha muita admiração. Ele esteve algumas vezes no Brasil e nunca tive oportunidade de vê-lo de perto. Minha última chance teria sido em 2007 quando ele foi anunciado como um dos convidados do Fronteiras do Pensamento, mas cancelou a participação por problemas de saúde. Uma pena!

Marshall Berman
Tudo que é sólido... foi tão fundamental na minha vida que orientou quase todos os meus pensamentos sobre a modernidade, a teoria marxista, a crítica e o ensaismo - a tal ponto que estou lendo nesse momento um livro que foi muito importante para a formação teórica dele (com Um século em Nova York, Berman tentou 'imitar' o estilo de Jane Jacobs em Morte e vida de grandes cidades para mostrar o espetáculo da Times Square). 

E veja como as coisas são curiosas: com muito brilhantismo Tudo que é sólido... também faz eco ao grande debate sobre o direito à cidade, a ocupação das ruas e as diversas manifestações espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Um dos eixos condutores do livro é a rua como um símbolo da modernidade que aparece na literatura em escritores como Goethe, Baudelaire, Puchkin, Gogol, Dostoievski e James Joyce.

Por toda a era de Haussmann e Baudelaire, entrando no século XX, essa fantasia urbana cristalizou-se em torno da rua, que emergiu como símbolo fundamental da vida moderna. Da “Rua Principal” (Main Street) das pequenas cidades à “Grande Via Branca” ou à “Rua do Sonho” das metrópoles, a rua foi experimentada como um meio no qual a totalidade das forças materiais e espirituais modernas podia se encontrar, chocar-se e se misturar para produzir seus destinos e significados últimos. Era isso o que o Stephen Dedalus de Joyce tinha em mente com sua enigmática sugestão de que Deus estava lá fora, no “grito da rua”.

Viva Marshall Berman!

***



Para encerrar, quem ficou interessado no assunto deve ler urgentemente Tudo que é sólido desmancha no ar saiu pela Companhia das Letras (tradução de Carlos Felipe Moisés e Ana Maria L. Ioriatti). Aproveitando o ensejo, recomento alguns livros de ficção que aparecem no ensaio do Berman e demonstram que a literatura não é um assunto assim tão distante da realidade simbólica, política e filosófica das ruas.



Fausto, de Goethe (volume I e II)
Tradução de Jenny Klabin Segall
Editora 34

Apesar de ser um poema (esse blog é sobre prosa de ficção), Goethe foi o autor que melhor conseguiu dar tratamento literário ao mito do homem sábio que vendeu sua alma ao diabo para saber tudo sobre o amor, a magia e a ciência. O enredo serve como uma alegoria para as transformações históricas, sociais, políticas, científicas e artísticas da modernidade. 



Eugênio Oneguin, de Alexandr Pushkin
Tradução de Dário Castro Alves
Record

Outro livro em forma de poema (segundo alguns, quase um poema em prosa devido ao caráter narrativo). Conta a história de um jovem aristocrata russo tão entediado com a vida que recusa até o amor de uma bela moça. Os anos passam e tudo muda. É uma obra que exerceu grande influência na literatura russa.





Avenida Niévski, de Nikolai Gógol
Tradução de Rubens Figueiredo
Cosac Naify

Gógol faz um amplo panorama da vida cotidiana da cidade de São Petersburgo, capital do império russo. A avenida Niévski com seu movimento vibrante e seu desenho moderno serve como palco central para o desenlace de histórias quase fantásticas.




Memórias do subsolo, de Dostoiévski
Tradução de Boris Schnaiderman
Editora 34

Não se engane! As poucas páginas desse livro carregam uma das personagens mais importantes da literatura ocidental: o homem do subsolo. Um sujeito isolado do mundo que investe ferozmente contra todas as coisas, mas encontra na rua uma maneira de felicidade.





Ulysses, de James Joyce
Tradução de Caetano Galindo
Companhia das Letras

Para além da forma experimental e hermética, o romance mais importante do século XX conta a história de "um homem sai de casa pela manhã, cumpre com as tarefas do dia e, pela noite, retorna ao lar". Nesse passeio a cidade moderna brilha reluzente.



As flores do mal, de Charles Baudelaire
Tradução de Ivan Junqueira
Nova Fronteira

Influenciado pelas transformações urbanas de Paris e pela prosa sombria de Edgar Allan Poe (alguém se lembra do conto “O homem da multidão”), Baudelaire coloca em cena a figura do flâneur que capta a cidade moderna com toda a beleza de suas mazelas.



*Fotos: reprodução do Google/fonte difusa.

Share/Save/Bookmark